Defensoria leva a Van dos Direitos à praça do bairro Rio Vermelho para prestar atendimento e orientação jurídica gratuita à população

Defensoria leva a Van dos Direitos à praça do bairro Rio Vermelho para prestar atendimento e orientação jurídica gratuita à população

13/11/2021 Uncategorized 0

A Van dos Direitos da Defensoria Pública de Santa Catarina estacionou, na tarde deste sábado, ao lado da praça da avenida Red Park, no bairro Rio Vermelho, no Norte da Ilha de Santa Catarina, para prestar atendimento e orientação jurídica gratuita à população local que passeou pela feira promovida pela Fundação Cultural Franklin Cascaes, da Prefeitura de Florianópolis. Participaram da ação a defensora pública Michele do Carmo Lamaison, os defensores públicos Juliano Gonçalves da Silva e Tiago Queiroz da Costa, a analista jurídica Mariana de Almeida Lopes e a técnica administrativa Joelma Orbem. O Defensor Público-Geral, Renan Soares de Souza, também prestigiou o evento, registrando que as ações itinerantes com a Van da Defensoria Pública serão intensificadas cada vez mais, para que o acesso à justiça chegue mais perto da população catarinense.

Cerca de 50 pessoas foram atendidas na Van dos Direitos ao longo da tarde, com demandas bastante diversificadas, nas áreas de família e cível, principalmente. “É muito importante ter à disposição esse serviço. Até foi uma surpresa, porque eu não sabia que estariam aqui hoje. Mas foi muito útil, porque já estava tentando marcar um horário na Defensoria. E foi ótimo, porque eles tiraram todas as dúvidas que eu precisava, foram muito atenciosos, foi muito importante isso”, disse Valkiria Felix Cabral, mãe de um bebê ainda amamentando, que recentemente se mudou para o Rio Vermelho.

Supervisor da Triagem da Defensoria Pública da Capital, o defensor Juliano Gonçalves da Silva falou sobre a importância desse trabalho itinerante com a Van de Direitos na educação jurídica da população. “A Van dos Direitos dá efetividade a uma função institucional da Defensoria Pública, que é a educação jurídica em direitos. Nota-se aqui uma grande quantidade de pessoas que se apresenta com muita carência de informação jurídica e de acolhimento, e a Defensoria Pública, com muita atenção e cuidado, avalia o caso conjuntamente com as pessoas para tentar verificar um melhor encaminhamento possível”, disse.

O defensor Tiago Queiroz da Costa e a defensora Michele do Carmo Lamaison destacaram os efeitos da aproximação da DPESC com a comunidade. “A Defensoria tem tudo a ver com a comunidade, e essa aproximação é a efetivação do serviço que a gente deseja prestar. É aqui que vamos descobrir quais são as nossas verdadeiras demandas. E isso é o que vai importar para nós no futuro, até na nossa forma de atuação. A aproximação com a comunidade vai gerar o conhecimento das vulnerabilidades e das demandas que a população de Santa Catarina quer da Defensoria Pública”, disse a defensora Michele.

“É essencial essa aproximação com a população, porque nos dá mais visibilidade, a população passa a conhecer melhor os nossos serviços. E, também, oferecer um acesso à justiça mais próximo dos locais de residência, porque muitas vezes as pessoas não têm condições de se deslocar até a Defensoria Pública. E a gente consegue, com a Van dos Direitos, dar esse suporte onde as pessoas estão”, afirmou Queiroz da Costa, que também preside a Associação das Defensoras e Defensores Públicos de Santa Catarina.