Santa Catarina é um dos estados brasileiros pioneiros no trabalho com a terapia das Constelações Familiares no Sistema Prisional. Esse primeiro projeto de Constelação Familiar no Sistema Prisional do Estado, que inclui mulheres presas do Presídio Feminino e agentes prisionais, foi uma iniciativa da Defensoria Pública de Santa Catarina, núcleo de Itajaí.  

O projeto catarinense atua em duas vertentes: por um lado, as presas do regime provisório passam por oficinas em que o objetivo é a responsabilidade pelos erros cometidos, com o resgate dos vínculos. Por sua vez, os agentes recebem treinamento para que aprendam as técnicas para auxiliar no seu trabalho diário.

As oficinas representam uma oportunidade para que as presas ressignifiquem a experiência do cárcere, tendo entre os objetivos o de contribuir para a redução dos índices de reincidência.

Essa iniciativa da Defensoria Pública de Santa Catarina conta com a experiência da Defensora Pública, Carla Gerhardt, especialista em Direito Sistêmico pela Hellingerschule. Ela recebe ainda o apoio da terapeuta Marilise Einsfeld, consteladora certificada pela Hellingerschule, e com anos de experiência nessa área de atuação.   

O Departamento de Administração Prisional - DEAP, através do diretor do presídio e coordenador-geral do projeto, Ederson Cruz e das coordenadoras Sandra de Fátima B. Finger e Adriana Lauth dos Santos, viabiliza a realização das oficinas dentro do Sistema Prisional feminino em Itajaí.

A importância desse projeto desenvolvido pela Defensoria Pública de Santa Catarina ganhou apoio da imprensa estadual. Recentemente foram veiculadas matérias na rede de televisão NDTV e na coluna da jornalista Dagmara Spautz, no Diário Catarinense.

 

Valquíria Guimarães

Assessoria de Comunicação

Defensoria Pública de Santa Catarina

 

image copia 1