Representada pela defensora pública, Caroline Kohler Teixeira, a Defensoria Pública de Santa Catarina participou da vistoria, promovida pela Justiça Federal, na sexta, dia 05, à Penitenciária de Florianópolis. Além da Defensoria Pública, representantes de outras instituições estavam presentes.

No local, o grupo percorreu as instalações do Centro de Observação e Triagem (COT) e outras alas do estabelecimento. O ato foi promovido em preparação a uma audiência de conciliação em 18 de outubro, que tratará das condições e necessidades das unidades prisionais de Santa Catarina.

“O objetivo é construirmos juntos uma solução conciliatória, buscando a melhoria das unidades prisionais, aumento de vagas e adequação das situações críticas, visando à concretização da finalidade da pena, que é a ressocialização do apenado”, explicou a coordenadora do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de Florianópolis, juíza Micheli Polippo, que também atua na 7ª Vara Federal de Florianópolis (Criminal).

O grupo foi integrado, também, pelos procuradores da República André Tavares Coutinho e Daniele Escobar, pelos defensores públicos da União Fabiano Schutz Ferraro e Vanessa Almeida Panitz, e pelo procurador do Estado Daniel Rodrigues Teodoro da Silva. Participaram, ainda, servidores do Departamento de Administração Prisional e da Justiça Federal e alunos da Escola Superior da Magistratura Federal.

A vistoria incluiu uma passagem pela biblioteca de onde são retirados os livros para a remição pela leitura, que permite a diminuição da pena em função do número de obras lidas. Além do COT e da biblioteca, foram visitadas as obras da nova ala de triagem, a Antiga Máxima e a Nova Ala Máxima e a Casa Velha, área da penitenciária construída em 1930.

Jornalista Valquiria Guimarães Reg.Prof.6829/RS

Assessoria de Comunicação Defensoria Pública de Santa Catarina

 

IMG 20181008 WA0037