Mutirão das Famílias realiza cerca de 180 atendimentos em dois dias na Defensoria Pública da Capital

Mutirão das Famílias realiza cerca de 180 atendimentos em dois dias na Defensoria Pública da Capital

07/12/2021 Notícias 0

Nos dois dias do Mutirão das Famílias, na sede da Defensoria Pública de Santa Catarina em Florianópolis, foram realizados cerca de 180 atendimentos presenciais, principalmente de pedidos de pensão alimentícia, e por volta de 250 procedimentos, como ofícios para a gratuidade de segunda via de registro civil, um saldo mais do que positivo na avaliação dos defensores públicos que atuaram durante a iniciativa. Na segunda e na terça-feira, 20 defensores e 15 servidores estiveram mobilizados no atendimento à população.

“Mais do que o sucesso, foi importante identificar quais são as demandas e as questões que a gente precisa abordar na Defensoria. Fiquei bem feliz com o resultado porque é possível identificar alguns pontos em que podemos melhorar. Esses eventos servem para isso, para a gente repensar o trabalho, sentir quais são as necessidades da população. Mas o que mais nos deixa satisfeitos é que, nestes dois dias, conseguimos resolver os problemas de quase 180 pessoas”, afirmou a defensora pública Michele Lamaison, uma das coordenadoras do Mutirão das Famílias.

Para a defensora Juliane Schlichting, que veio de Joinville ajudar no Mutirão da Capital, a iniciativa tem tudo para ser replicada nos demais municípios em que a Defensoria Pública atua. “Foi uma excelente iniciativa, tendo em conta que a Defensoria Pública, institucionalmente, é um instrumento de transformação social. Isso só acontece na base, e a base da sociedade é a família. Por isso precisamos auxiliar as pessoas a resolverem os seus problemas familiares. É a primeira vez que a Defensoria promove algo neste sentido, vieram colegas de diversas partes do Estado que se engajaram no atendimento de todas as pessoas que nos procuraram. Agora pretendemos replicar essa experiência de Florianópolis no nosso Núcleo de Joinville”, explicou.

Junto com o colega Fernando Morsch, o defensor público Diego Torres veio de Criciúma para auxiliar nos atendimentos na Capital nesta terça-feira (7). “O mutirão foi espetacular. Estou há sete anos na Defensoria e esta foi a primeira vez que realizamos uma atividade coletiva na área da Família, uma área que tem um importante apelo social, pois permite que colegas de várias partes do Estado possam realizar atendimentos presenciais, e não apenas a análise fria de processos. Foi um grande acerto da administração neste aspecto. A gente sabe que a agenda da família é invencível, e neste dois dias, reunindo muitos colegas defensores, com toda a organização e logística que foi disponibilizada, a gente conseguiu ter resultados eficazes”, disse.

“A iniciativa do Mutirão foi muito válida. Para a Defensoria foi muito importante esse contato direto com as pessoas em uma área que é bem sensível. Hoje eu fiz seis atendimentos, a maioria questões envolvendo pedido de alimentos, que sempre é a principal demanda na área civil. Mas foi um primeiro passo, e creio que devemos agora realizar eventos como este em outras defensorias do Estado”, afirmou Fernando Morsch.

Apesar do número maior de pessoas procurando auxílio da Defensoria Pública da Capital no segundo dia do Mutirão das Famílias, os assistidos, em sua maioria, elogiaram a presteza e a eficiência dos atendimentos, mesmo aqueles que não tinham conhecimento da iniciativa e apareceram sem agendamento prévio.

Morador da Costeira do Pirajubaé, J.G.C., 41 anos, levou a filha M.P.G.C., de 17, e o neto de sete meses no Fórum da Capital, e lá foi informado do Mutirão das Famílias que estava sendo realizado pela Defensoria. “Nós viemos direto para cá, explicamos a nossa situação, e fomos prontamente atendidos. Foi nota 10”, disse ele, que procurou atendimento quanto à pensão alimentícia para a filha e o neto, que não é depositada pelo pai da criança há dois meses.

T.S.M., 21 anos, moradora do bairro Capoeiras, veio até a Defensoria sem saber do Mutirão e preencheu na hora o formulário com o seus dados para atendimento. “Sorte que eu vim com toda a documentação que precisava para regularizar a minha união estável. Foi a primeira vez que procurei a Defensoria, e fui muito bem atendida, todos foram bem atenciosos”, afirmou.

Residente no Campeche, A.F., de 20 anos, ingressou com uma ação de alimentos porque seu pai não lhe paga pensão. “Eu não sabia que tinha esse mutirão, foi ótimo o atendimento. Até achei que seria mais demorado, foi rápido, mas saio daqui com tudo encaminhado”, declarou,

L.J.S,, de 18 anos, moradora da Agronômica, soube do Mutirão das Famílias por uma rede social. “Minha mãe veio ontem e mandou eu vir hoje para registrar a minha filha de 2 anos com o nome do pai. Faltaram dois documentos, que ainda vou mandar, mas recebi todas as orientações que eu precisava”, disse ela.

Procurando atendimento para o seu divórcio, B.G.F., 30 anos, morador dos Ingleses, agendou pelo site o horário em que deveria vir até a Defensoria. “Foi tudo muito ágil e efetivo. Muito boa a ideia desse mutirão. Foi tudo resolvido, só ficou faltando um documento que eu vou mandar assim que chegar em casa por email”, afirmou.